As transformações que o varejo vem passando nos Pontos de Venda para atrair o consumidor são intensas e provocam a busca constante por maior tecnologia. As cores, displays, cheiros, diferenciação no toque e até sons são alguns elementos utilizados para atrair o consumidor. Nesse contexto, a loja adquire funções mercadológicas, onde o ambiente passa a influenciar na decisão de compra.

 

Uma das empresas que apostou na tecnologia e na diferenciação, a  Igaratiba, empresa especializada na fabricação de frascos e tampas plásticas para variados segmentos de mercado, está utilizando resinas especiais em algumas embalagens de cosméticos, que possibilitam a migração da fragrância do produto pela parede do frasco, fazendo com que o consumidor sinta a essência sem necessitar abrir o produto. Os xampus e condicionadores da linha infantil Kids, da L’Oreal empregaram este tipo de tecnologia na resina.

O soft-touch é outra tecnologia diferenciada que utiliza uma resina especial também utilizada pela empresa para que a parte externa da embalagem tenha um toque aveludado, num processo de bi-camada (co-extrusão de frascos), que permite o uso de dois tipos de resinas e/ou master´s.  O consumidor tem a sensação de conforto e maciez no toque. A embalagem da linha “Todo Dia”, de creme corporal e sabonete líquido da Natura, empregou o soft touch.

 

Outra aposta da empresa é no PET, uma tendência de mercado para qual a empresa investiu em equipamentos. O injection blow para frascos de cosméticos dará continuidade aos projetos especiais na área de sopro, já que a empresa conta com o único laboratório de prototipagem da América Latina. Graças a ele é possível a confecção de moldes pilotos de sopro (sistema quick change), a confecção efetiva desses moldes e também os de injeção, e a prazos recordes.

 

Com estas tecnologias a empresa quer intensificar suas ações no mercado cosmético brasileiro e incrementar suas exportações, adotando uma postura Comercial-Global, de criar vínculos com clientes estratégicos. Hoje a empresa exporta para os mercados do Chile, Argentina, Paraguai, Uruguai, Venezuela, Colômbia, México, EUA e Malásia, que representam 7% do faturamento geral. A proposta em 2004 é chegar aos 10%.

 

Para continuar trabalhando com empresas fortes do mercado e para atrair importadores a empresa considera necessário estar conectado com os centros de desenvolvimento tecnológicos espalhados no mundo, por isso busca a busca certificação ISO 14000, além das que já possui.

 

“O Brasil ficou com suas portas fechadas para o mercado externo durante muitos anos. Com a abertura para o mercado mundial, tivemos acesso às tecnologias dos países de primeiro mundo e entendemos que hoje existe um nivelamento tecnológico entre os competidores, ou pelo menos a possibilidade para que isso aconteça, tanto em caráter nacional, quanto internacional”, diz Gilson Bellucci Lopes, Gerente de Vendas da empresa. “Procuramos então oferecer ao cliente o gerenciamento dos detalhes, em todas as fases do processo, com destaque para a criatividade, a informação e a velocidade imposta às respostas, como uma forma de garantir uma diferenciação”, afirma.