A Natura anunciou esta manhã em teleconferência, que concluiu no último dia 7, a aquisição de 100% das ações de emissão da The Body Shop International Plc., totalizando um investimento de US$ 1,2 bilhão, ou 13 vezes o EBITDA da empresa. A dívida líquida da Natura foi financiada no Brasil e no curto prazo seu EBITIDA  deve voltar aos níveis antes da transação até 2022.

Foram anunciados também os planos de crescimento para The Body Shop, assim como sua estrutura organizacional, que terá sede no Reino Unido. A expectativa é de que o EBITDA da empresa adquirida dobre em 5 anos, alcançando entre 12% e 14%, contra os atuais 8%.

“The Body Shop e Natura sempre tiveram sinergia em seus propósitos e se observavam com mutua admiração, cada uma de um lado do oceano” observou Guilherme Leal, sócio proprietário da Natura, ao apresentar o novo Grupo Natura, agora constituído pelas marcas Natura, Aesoap e The Body Shop.

Ele ressaltou a visão e a sinergia dos propósitos das marcas do grupo, comprometidas em gerar impacto sócio-econômico-ambiental positivo, para criar valor para todos os negócios, marcas e geografias. Entre esses valores estão: benefícios em educação e saúde para as consultoras; produtos com fórmulas vegetais; ingredientes rastreáveis, com cultivo sustentável, comércio justo com fornecedores, sem testes em animais, negócios carbono neutro e apoio à educação pública. “São 3 marcas fortes que compartilham uma mesma visão e crença forte na inovação científica”, enfatizou.

Estrutura

A estrutura administrativa dos três negócios globais será conduzida de forma autônoma, com CEO e Comitê Executivo próprio, com um novo CEO para a The Body Shop a ser nomeado. Robert Chatwin é o vice-presidente de Transformação da Marca e haverá responsáveis para outras áreas chave a serem nomeados.

O restante da estrutura do Grupo Natura contará com Roberto Marques, como presidente executivo do Conselho de Administração – os três sócio-fundadores serão co-presidentes do Conselho – e Peter Saunders, ex-CEO da The Body Shop passará a integrar o Conselho de Administração. João Paulo Ferreira, permanece como presidente da Natura e Michael O´Keefe, como presidente da Aesoap. O novo grupo de governança deverá capturar sinergias, alocar recursos e conduzir a consolidação.

A missão do Comitê de Operações do Grupo, além de contribuir para a promoção do desenvolvimento do Grupo Natura, será sobretudo de administrar recursos entre as unidades de negócio, identificando sinergias em cada uma delas, alavancando a presença da Natura em múltiplos canais de venda e em mercados globais importantes com um extenso portfólio de produtos abrangendo categorias-chave.

LojaBodyShop

Com a aquisição da The Body Shop a presença global do grupo foi ampliada com vasta presença geográfica da marca em mercados importantes. “Com essa transação passamos de player regional a player global”, disse Robert Chatwin. Ele diz que o Grupo sabe que a  marca Natura chegará a novas regiões do mundo, mas lembra que as marcas do grupo não acreditam em testes em animais. “Há um grande potencial para a criação de valor. Não entraremos em mercados que não respeitem essa ética”, afirmou o vice-presidente de Transformação da Marca.

Como a maior parte das cidades em que a The Body Shop não está presente fica na China e a Natura, assim como a Aesoap não tem presença no mercado Chinês, o país é,portanto, um grande mercado para as três marcas. “Estamos monitorando a China. Na hora certa falaremos sobre a China. É um mercado vasto e está nos nossos planos”, disse Robert Chatwin.

Com a aquisição a Natura aumenta sua participação em franquias e em presença digital, onde só no mercado americano a marca tem 28% e penetração e aumenta a presença do grupo em cuidados com a pele, a maior categoria na indústria de beleza.

Em 2016 a Natura e a Aesoap juntas obtiveram US$ 4,4 bilhões em vendas, a The Body Shop US$ 1,6 bi. Receita Líquida de US$ 2,3 bi, EBITIDA de US$ 385 milhões e 8 mil colaboradores. A The Body Shop sozinha obteve em 2016 US$ 1,6 bi em vendas, U$ 1 bi em receita líquida e EBITIDA de US$ 82 mi, com 10 mil colaboradores.

consultoras

Entre as medidas previstas para promover o crescimento da The Body Shop estão: o rejuvenescimento da marca trazendo de volta seu ativismo e espírito de vanguarda, no conceito de loja consistente, recuperando tráfego perdido, a renovação da presença geográfica das lojas, a revitalização de sua rede de franqueados e maiores investimentos em marketing digital, com a implementação do sistema de e-commerce Hybris (click & collect) , além de racionalizar custos e melhorar a produtividade organizacional.

Em outubro o nome do diretor presidente da The Body Shop será anunciado, um dos requisitos pretendidos é que ele tenha conhecimento do varejo internacional, disse a empresa.

As operações de cada marca serão independentes, mas se reportarão ao Grupo. O Comitê de Operações vai promover várias atividades de apoio a cada um dos negócios, como introduzir a venda direta da The Body Shop na América Latina, acelerar o crescimento internacional da Natura e o da Aesoap, buscar ganhos de escala e eficiência na locação de recursos, como o acesso a uma cadeia de suprimentos.