1 – A Ativa escolheu o setor de cosméticos ou foi escolhida por ele? Por quê? A empresa atua em outros setores? Quais?

A Ativa escolheu o segmento de cosméticos para atuar com especialização em boas práticas de manuseio porque, além de o  segmento ser o segundo maior mercado do mundo, com crescimento constante em unidades e valores, a segmentação vem se definindo cada vez mais e criando oportunidades.

Para atender o segmento de cosméticos as empresas precisam estar atentas e serem proativas em toda operação, distribuição e relacionamento com seus clientes. A operação tem seu início na coleta e é concluída no abastecimento dos destinatários dos clientes.

A Ativa, como uma das maiores empresas com especialização em cargas fracionadas, tem foco nos segmentos de saúde, cosméticos e bem-estar, que exigem cada vez mais, procedimentos de “Boas Práticas & Qualidade.

 

2 – Quais as peculiaridades do transporte de cosméticos? A empresa dispõe de quantos Centros de Distribuição pelo país?

Para falarmos das peculiaridades do transporte de cosméticos, precisamos comentar sobre a grande variedade e dinâmica de lançamentos dos produtos de HPPC. Como especialistas no segmento de cosméticos, estamos preparados para atender nossos clientes com efetividade de entrega em lojas de cosméticos, farmácias e centros de distribuição. O segmento de cosméticos historicamente não apresenta sazonalidade, assim o grande volume e  grande variedade de lançamentos ocorrem em todos os meses do ano. Operamos com 18 centros de distribuição, concentrados na região sudeste do Brasil (São Paulo, Rio de Janeiro, Espirito Santo, Minas Gerais e Curitiba no Paraná) para transporte rodoviário. Nacionalmente trabalhamos com os modais aéreo e operador logístico.

 

3 – Nesses CDs as condições para o armazenamento de cosméticos e produtos fármacos atendem às necessidades de temperatura por exemplo? Que outras condições ou serviço oferecem?

A carga de cosméticos e medicamentos requer cuidados especiais, o que torna a logística muito delicada. Algumas categorias, como a dos medicamentos constantes na resolução da portaria 344/98, necessitam de rastreabilidade rigorosa na armazenagem e transporte. Por isso mesmo, a Ativa investe em equipamentos e na implantação de eficientes sistemas de segurança.
A  empresa atende a todos os requisitos e exigências dos órgãos reguladores do país, inclusive aqueles considerados imprescindíveis para o segmento farmacêutico. O seu CD na capital paulista tem ambientes monitorados 24 horas por dia por coletores de temperatura e umidade, o que garante a integridade e a qualidade das mercadorias armazenadas. Temos ainda, áreas para o armazenamento de itens climatizados entre 15° e 30°graus conforme RDC 343 e também para produtos refrigerados, por meio de câmara fria com temperatura entre 2 e 8 graus. Temos  todas as licenças sanitárias necessárias, além de instalações adequadas às normas legais para operar nesses segmento. E, ainda, trabalhamos com profissionais farmacêuticos comprometidos com a qualidade dos produtos que transportamos e armazenamos.

 

4 – A Ativa monta inclusive kits de beleza? Como e porque isso acontece? É um serviço especial?

Sim, oferecemos serviços diferenciados. A operação logística é complexa e muitas empresas buscam na logística um diferencial competitivo, fazendo seus produtos chegarem aos seus destinos com qualidade, segurança e no prazo certo.  Podemos desenvolver  projetos sob medida e com eficiência estratégica conforme a necessidade do  cliente. Para oferecer uma operação com esse formato  fazemos a análise de um pré-projeto para que haja tempo hábil para investimentos em tecnologia, equipamentos e treinamento de equipe. Realizamos adaptações, definimos processos e instalamos maquinários para ganharmos agilidade desde a entrada, movimentação, separação dos produtos e montagem dos kits. Hoje temos em nosso CD em Itapevi (SP) equipes totalmente dedicadas a essa operação, trazendo maior dinamismo, com sinergia das áreas comerciais, operacionais e de marketing para efetivar o processo.

 

5 – Quais as outras empresas terceirizadoras de transporte de cosméticos? Qual o tamanho desse mercado? Há espaço para crescer?

De acordo com a Abihpec, existem no Brasil 2,6 mil empresas atuando no mercado de produtos de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (HPC), sendo que 20 delas de grande porte, com faturamento acima dos R$ 100 milhões. A estimativa da consultoria Euromonitor é que, no período 2015-2020, deverá haver um crescimento acumulado de 14,3%, ou seja, em média de 2,7% ao ano. Essas avaliações ressaltam que, em 2020, as vendas finais ao consumidor, considerando também as taxas e impostos, assim como os mark-ups dos varejistas, poderão chegar ao patamar de R$ 115 bilhões. Não há um número definido para o mercado de logística, entretanto, para reduzir custos e melhorar a eficiência logística, muitas empresas do setor de cosméticos  estão terceirizando a entrega de seus produtos em todo o país. Assim, consideramos que a oportunidade de expansão desse mercado será satisfatória para empresas estruturadas e com processo de boas práticas bem definido.

 

6 – Com o ICMS diferente em cada estado, existe uma logística geográfica que se opera no país para a entrega de cargas de cosméticos em determinados estados ter seu custo diminuído?

Nossa operação é padrão nacional de precificação, seguimos a alíquota aplicada por estado. Existe um posicionamento fiscal entre os estados onde o entendimento não apresenta uma padronização, e como regra geral temos apenas uma resolução do CONFAZ, que determina as alíquotas interestaduais de 12% (para os transportes na região Sul e Sudeste, exceto ES) e 7% (para as regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e ES).

Individualmente alguns estados alteram suas alíquotas internas para serem mais competitivos em relação aos outros estados. Podemos destacar o estado de MG que concede a isenção do ICMS, para os casos onde o tomador do serviço for contribuinte do estado. Em contrapartida o estado do RJ opera com uma das maiores alíquotas internas do país, com a alíquota de ICMS na casa dos 18%, mais um fundo de combate a pobreza de 2%, totalizando 20%, e sem nenhum benefício fiscal.

Não podemos deixar de comentar também a questão do diferencial de alíquota para o consumidor final (DIFAL), que onera a carga tributária, pois leva em consideração a alíquota interna do estado consumidor.

O DIFAL , é uma nova sistemática de distribuição do ICMS, para os casos onde a transação envolva um não contribuinte do imposto. Entrou em vigor 2016, pois até então, todo o valor do ICMS ficava com o estado de origem.

AtivaLogistica

 

7 – Isso ocorre independentemente do tipo de carga? Nada mudou em 10 anos?

Não, para alguns segmentos existe um benefício fiscal, exemplo livro, que é imune ao imposto. Contudo ainda não temos uma legislação nacional que aplique regras claras, deixando os estados livres para criarem regras complexas.

 

8 – A Ativa também atua com outro tipo de transporte – por rios ou ferrovias? Quais são os maiores impedimentos e quais seriam as vantagens?

A Ativa Logística é um integrador logístico nos segmentos de saúde, cosméticos e bem-estar nos modais rodoviário, aéreo e logística, considerando que grande parte da demanda de distribuição no país ainda é feita por esses modais.

 

9 – O transporte aéreo é utilizado em que casos e qual a diferença de custo?

O Modal Aéreo ocorre para atender a necessidade do mercado de cosméticos, saúde e bem-estar que vem crescendo e querendo cada vez mais agilidade e com um diferencial competitivo. O custo da operação está proporcionalmente ligado as necessidades e particularidades das demandas.

 

10 – E o transporte via portos?

A Ativa Logística não tem como foco essa modalidade de transporte.

 

11 – Em um país de dimensões continentais, por que o transporte de cargas ainda é feito em sua grande maioria por estradas?

É uma alternativa por conta da deficiência de estruturas fluviais e ferroviárias.