1 – O que há de inovador na coloração LCS, recém lançada na Hair Brasil?

A principal inovação está na utilização de 10 plantas que compõem a coloração. Sem quaisquer pigmentos sintéticos, amônia, ou etanlonamina, um dilatador presente, por exemplo, em tonalizantes. Sobretudo, não há nenhum processo químico e cobre 100% de brancos, não desbota, só se retoca a raiz e pode ser usada em mulheres grávidas, lactantes, pessoas alérgicas.

 

2 – São naturais como a henna? Quantos tons tem a coloração?

A henna também é natural, mas conforme se vai lavando os cabelos, ela vai saindo. A LCD é diferente da henna, que tem apenas um único tom, as outras tonalidades são sintéticas.
Temos 10 tonalidades naturais que podem ser misturadas sim, até cerca de 30 tons personalizados e inclusive é possível fazer mechas. As cores: preto, castanho, castanho médio, castanho claro, loiro escuro acobreado, loiro médio dourado, loiro médio cobre avermelhado, loiro claríssimo, loiro dourado e vermelho intenso.

 

3 – São plantas que tem cor, como por exemplo o Urucum?

As plantas não são escolhidas só pela cor, mas também pela capacidade e tratamento. Elas proporcionam o equilíbrio do couro cabeludo e são fontes de Vitamina C, que é antioxidante.

 

4 – Qual a tecnologia empregada para que ela cubra 100% dos cabelos brancos e não desbote?

A tecnologia empregada é a de micronização, que é o grande segredo e que faz a fixação acontecer. A coloração tem cheiro de chá. A sua aplicação inclui apenas água, a uma temperatura controlada.

 

5 – E porque o lançamento na Hair Brasil?

Estamos aqui na Hair Brasil captando pessoas interessados em serem ‘colorista vegetal’. Elas precisam aprender regras técnicas para lidar com os pigmentos naturais, porque eles são totalmente diferentes dos pigmentos sintéticos. Então as regras técnicas são diferentes.
O cabelo castanho, por exemplo, pega um tom loiro, mas nos cabelos brancos. Não vai clarear um tom castanho.
É preciso aprender a alquimia das cores para se conseguir resultados desejados e conforme a sua expectativa também.

 

6 – Quantos salões a Laces and Hair tem? A coloração LCS é vendida apenas nos salões?

São cinco salões em São Paulo e um em Belo Horizonte. Sim a LCS é vendida em nossos salões e também em nosso site, porque estamos ensinando a técnica de aplicação.

 

7 – Há quanto tempo vocês estão no mercado e há quanto tempo produzem cosméticos?

Os salões da Laces and Hair estão no mercado há 32 anos. Há cerca de 50 anos, minha mãe, Mercedes Dios desenvolveu um método próprio de técnicas utilizadas no Laces and Hair e, como não gostava de produtos industriais, isso iniciou a pesquisa com ervas, flores e frutos tropicais. Nesses cinquenta anos, conseguiu uma alquimia exclusiva que deu origem aos produtos usados no Laces, com o objetivo de deixar os cabelos saudáveis e brilhantes.

 

Laces_coloracao

8 – Quanto tempo vocês levaram para fazer desenvolver a coloração LCS?

Na verdade foram 4 anos de pesquisas e a coloração LCS é realmente uma inovação.

 

9 – Não há similares dessa coloração à base de plantas no exterior ?

A coloração que estamos lançando é uma inovação. Uma coisa muito diferente. No mercado Europeu há alguma coisa similar, porque 2% do mercado europeu já trabalha com algum tipo de pigmento natural, mas no Brasil é a primeira coloração vegetal.


10 – A Laces and Hair tem outros produtos de destaque? Para que servem a água de coco e o soro ?

A Água de Coco Laces é um produto para hidratação, que é aplicado com os cabelos secos e sujos, ou antes de lavar. Ele repõe os nutrientes e pode ser aplicado após a entrada no mar ou piscina para nutrir os fios. É bem fluída, não pesa nos fios. É uma manutenção para o cuidado com o cabelo. E o Soro, que é produzido artesanalmente, é um creme que tem a função de devolução de massa capilar , devolvendo aminoácidos e proteínas fundamentais para ter saúde nos cabelos. Porque ele é rico em vitaminas e aminoácidos que nutrem os fios deixando-os mais fortes e macios. Também é aplicado nos cabelos antes da lavagem.

 

11 – E os chamados produtos Low Poo e No Poo. Dá para fazer isso com ervas?

Sim. Na verdade o Low Poo e o No Poo, é uma grande tendência, porque justamente as pessoas estão buscando menos química nos cosméticos, para que isso reverbere menos no meio ambiente. Só que ainda existe uma adaptação a esse tipo de produto, porque ele é livre de sulfato ou um surfactante suave, que tem menos espumação e nem sempre as pessoas se adaptam com isso. Não significa que não esteja lavando, mas o sensorial da espuma que traz a sensação de limpeza. Mas não propriamente é isso. É um conceito que a gente precisa mudar.
Em nossa linha de produtos temos 2 produtos No Poo e o restante é Low Poo, porque estamos justamente em um processo de adaptação. Se for um surfactante muito abrasivo, que faz muita espuma, ele é muito irritante para a pele, para o couro cabeludo, pode ressecá-lo, especialmente nos cabelos cacheados que não recebe todos os nutrientes nas pontas.

 

12 – A partir de quando vocês passaram a produzir cosméticos?

Primeiramente, começamos como um salão de beleza e minha mãe, Mercedes Dios, criava os próprios produtos naturais para aplicar nos clientes. No processo evolutivo, criamos uma fábrica em Curitiba que foi a primeira certificada do Brasil.
Desde o início desse processo de fabricação, tínhamos uma forma artesanal de fazer esses cosméticos para utilização dentro dos tratamentos do salão. Mais ou menos nos anos 90 tínhamos uma pequena fabricação, onde os produtos eram comprados pelos clientes que estavam em tratamento. Em 2011, fizemos a entrada na terceirização – nossas fórmulas e alguém produzia. E há 2 anos compramos a fábrica. Foi um processo evolutivo, porque sempre fomos uma empresa de serviços. Os cosméticos surgiram para solucionar nossos tratamentos. Agora, há 1 ou 2 anos estamos abrindo um pouco para o varejo, como os supermercados Pão de Açúcar.