1 – Quais fragrâncias já lançadas ou em lançamento que incorporam os novos cheiros, por exemplo, o novo cítrico e o ruibarbo?

Isso é muito relativo, toda casa de fragrância assim como todo perfumista está em busca do novo, do surpreendente. No caso da fragrância cítrica, green, ruibarbo que avaliamos no apartamento #1( da exposição Apartamento, que faz parte do projeto Homem Brasileiro 2016, com curadoria de Mário Queiroz) exploramos esse “novo” citríco e “novo” frescor através da nota ruibarbo (sem ser o talo) e o grapefruit, que traz uma característica mais ácida, com aspectos frutados que prolongam o frescor e que é primordial em uma construção cítrica.
Um novo lançamento que explora o ruibarbo, por exemplo é o Eau Rhubarbe Ecarlate de Hérmes, lançado este ano, em que o ruibarbo entra com o seu lado mais vegetal que cítrico, mas nos traz também um aspecto ácido e fresco. Claro que são criações bem distintas entre si, mas ambas privilegiando uma nota ruibarbo como prolongamento do frescor.
2 – Quais as diretrizes desse projeto e como ele foi realizado ?

Desenvolvemos fragrâncias exclusivamente para este projeto, no qual perfis de 7 estilos de homens foram mapeados, para características comportamentais específicas, aliadas ao lifestyle que cada um “representa”. Perfumistas de todo o mundo foram “brifados” e a seleção final foi realizada pelo time Brasil em blind (sem saberem quais eram). Estas criações estão livres para quem quiser comercializá-las mundialmente.
3 – Já temos perfumes brasileiros para estes novos perfis de homens que foram surgindo à medida que incorporaram novos valores ao longo das últimas décadas?

A exposição não trata exatamente do novo homem. Sua intenção foi mapear diversos masculinos já existentes, sendo alguns mais conservadores e outros não, depende do ponto de vista de quem está vendo – e sentindo. A intenção no entanto, é mostrar que estes perfis hoje já conversam entre si, e podem caminhar entre os diversos perfis traçados. Algo que já acontece globalmente.

 

apartamento1_close

 

4 – Os novos cheiros fazem parte de uma ação anual de marketing da drom, assim como outras casas de fragrâncias também desenvolvem? Ou foram criados com base em pesquisas com novos homens para uma renovação de cheiros que os descrevam melhor?

A participação no Homem Brasileiro fez parte das ações de marketing deste ano, assim como outros eventos da drom como o Fragrance Seminar em Munich, que reúne vários clientes globais anualmente para mostrar tendências olfativas em diversas categorias. Cada fragrância da exposição ‘Apartamento’ foi projetada através do nosso conhecimento sobre o masculino e o que esses apartamentos trazem de signos que se revelam através dos cheiros.
5 – A drom desenvolveu também cheiros especiais para a mulher desses novos tempos?

A drom todo ano lança um livro de tendências femininas, masculinas e nichos. Em cada um desses livros são desenvolvidas fragrâncias de diferentes famílias olfativas projetando as tendências olfativas.
6 – Quanto aos novos cheiros, o que é a nota earthy que atende a um novo tipo de homem (de perfil easygoing)?

O aspecto earthy é o lado quente dessa criação, promovendo uma ligação da terra e a natureza com esse masculino. A nota earthy desta criação vêm do patchouli, que foi conectado a esse perfil, o qual posicionamos como neo hippie. O movimento hippie na década de 70 contribuiu para um boom de notas patchouly, hoje lançamos, neste apartamento, um retorno à essas notas, ajustadas com dry herbs.
7 – E qual a conexão dessa nota de Lavanda renovada, para o homem ‘ousado’ do evento, para a nota de coração (lavanda, flor de laranjeira, néroli e lírio-do-vale)?

Diz respeito ao Apartamento #5 de estrutura olfativa Cologne, para esse masculino. O ambiente nos revela um homem colecionador, um globetrotter que representa tendências que absorve em suas viagens. Ele gosta de histórias e a estrutura Cologne traz uma super história, que agora é reinventada e revelada já em diversas marcas “nicho” pelo mundo. No Brasil, não acreditamos no sucesso dessa nota para perfumaria mass market, pois o Brasileiro em geral associa lasting (duradouras) com valor agregado e as notas colognes que são provenientes de uma estrutura cítrica, são mais voláteis, de lasting não muito prolongadas. Mas um masculino que sabe um pouco de perfumaria, entenderia o encanto e nobreza de tal estrutura.
8 – E o novo metálico?

Você se refere o apartamento #4 em que o ambiente é associado a um perfil de atitude, muita vezes visto como rebeldia. A inspiração para essa criação foi a jaqueta de couro Perfecto, símbolo de masculinos como Elvis, James Dean… Esse couro metálico, traz a reverberação de notas de guitarra, provoca ruídos, é uma nota de atitude ainda não vista…
9 – E os talos de Ruibarbo, desconhecido dos brasileiros mas já incorporado há algum tempo na perfumaria internacional?

Existem vários perfumes que usam a nota ruibarbo, só de lançamentos neste ano, 13 reivindicam esta nota que no entanto, sempre esteve na perfumaria. Mas usada de uma maneira mais vegetal, a partir de seu talo. O que vemos agora é o Ruibarbo usado com sua faceta mais ácida, tônica e frutal.