A Natura trilha o investimento na plataforma da nuvem em uma parceria com o Google, para testar novos princípios ativos e cosméticos virtualmente na nuvem, para ganhos reais em flexibilidade, performance, tempo e economia de recursos no desenvolvimento de novos produtos.

A Natura já eliminou os testes de produtos em animais em 2006 e adotou mais de 60 metodologias alternativas, como o uso de uma pele 3D, criada em laboratório. Agora, os testes ficaram ainda mais digitais, abrangentes e 30% mais velozes.

Na prática, o ambiente de Cloud realiza os testes a partir de algoritmos customizados pela própria Natura. No modelo é criada uma molécula virtual – a partir de uma substância/ativo real – em um ambiente no qual são simuladas as interações que ela pode passar, como variações de temperatura ou contato e absorção com a água.

Tecnicamente, o algoritmo roda no GKE (Google Kubernetes Engine), sistema de orquestração de containers open-source que automatiza a implementação, o dimensionamento e a gestão de aplicações nos repositórios de dados. Uma mudança radical. “Os testes em “bancada” gastavam um tempo muito maior. Além disso, nossa metodologia atual investiga os componentes e as concentrações e reações sem usar a pele de uma pessoa ou de animais, simulando seu impacto. Alcançamos uma grande agilidade, com alta escalabilidade, segurança e com um custo menor na plataforma da nuvem do Google. Conseguimos reduzir em 1/3 a janela de lançamento de produtos – de 1 ano para 8 meses. Nossa meta é eliminar os datacenters próprio até 2020”, explica Felipe Moz, especialista de TI da Natura.

Antes dos testes digitais, a Natura testava o potencial de uma planta para um benefício específico, como hidratação, fortalecimento ou para aumentar o brilho dos cabelos. Depois, testava a mesma planta para outro benefício cosmético. Agora, com o desenvolvimento de novas tecnologias, a empresa é capaz de testar, de uma única vez, mais de 400 ativações diferentes.

“A quantidade de dados que essas pesquisas geram é estratosférica e, por isso, precisávamos de um lugar para guardar essas informações e infraestrutura para cruzá-las”, disse Daniel Gonzaga, diretor de inovação de produtos da Natura em divulgação do Google.

“Com um teste na pele, dá para ver a reação, se fica vermelha. Em um computador, é muito mais complexo”, diz Antonio Chaddad, executivo de contas da Google Cloud.

Os testes não seriam possíveis sem os bancos de dados da Natura. Com anos de pesquisas acumuladas, além de bases de dados públicas de universidades pelo mundo, a companhia de cosméticos acumulou conhecimentos sobre como diferentes moléculas reagem umas com as outras e com pele ou cabelo humanos.

Os testes são feitos apenas para novos princípios ativos ou combinações diferentes entre eles. A base do cosmético, como o creme, mousse ou pó que o forma, é a mesma já usada em outros produtos. “A parte sensorial depende de fórmulas comuns, se o produto é mais seco ou cremoso, se esquenta ou esfria a pele. O benefício vem do composto ativo”, explica Gonzaga.

Depois dos testes na nuvem, o produto final será testado na pele 3D e por consumidores. Mas, ao invés de testar 10 variedades, serão apenas duas ou três, já mais bem definidas.

O fator dos custos é comemorado. Com apenas 10% do volume previsto para investimento no projeto de testes no ambiente virtual efetivamente utilizado, a Natura conseguiu canalizar os recursos para outros investimentos. “O resultado ficou muito abaixo da estimativa. Gastamos muito menos e conseguimos uma performance superior ao esperado. Com o custo menor por teste, acabamos realizando um volume ainda maior que o previsto”, contabiliza o especialista em TI da Natura.

“Quando uma empresa, como a Natura, precisa usar o serviço, a capacidade não é limitada pela quantidade de computadores próprios e pode ser aumentada conforme a necessidade. Ao final dos testes, deixa de usar o equipamento e, assim, de pagar por ele, assim como os custos com manutenção e atualização dos equipamentos com as novas tecnologias, que ficam a cargo do Google, gerando economia,” diz Chaddad.