No terceiro trimestre a Natura reportou um crescimento expressivo da receita líquida consolidada, com R$ 2.365,4 milhões, um aumento de 24,3% sobre o 3T16. Em bases comparáveis o crescimento seria de 11,4%. O lucro líquido ficou em R$ 61,0 milhões, com diminuição de 16,6% em relação ao mesmo período em 2016.

O EBITDA consolidado foi de R$ 450,4 milhões, um aumento de 40,8% em relação ao 3T16. O da Natura foi maior em R$ 97,5 milhões; da Aesoap menor em R$ 8,7 milhões; da The Body Shop de R$ 11,6 milhões, referente apenas ao mês de setembro e houve despesas com a aquisição da TBS, de R$ 29,1 milhões.

No acumulado do ano 2017, a receita líquida consolidada foi de R$ 6.119,8 milhões (+8,9% vs. o mesmo período do ano anterior). O aumento da receita líquida consolidada de 24,3% foi alavancado pelo desempenho da Natura, da Aesop e incluiu a receita de setembro da The Body Shop. A Natura no Brasil teve crescimento de 10,4% da receita líquida, atribuído ao desempenho das vendas por relações, estratégia de categorias e vendas líquidas online.

A receita líquida consolidada da Natura foi de R$ 1.959,8 milhões, crescimento de 10,6% e 10,4% da receita líquida, impulsionado pelo forte desempenho das vendas no Brasil e pelas vendas da Latam, de +11,5% (18,9% em moeda local). A receita líquida no Brasil foi de R$ 1.397,6 milhão no trimestre, com crescimento de 10,4% sobre o 3T16. No período houve a reversão da despesa com provisão de IPI de R$ 66,3 milhões, que correspondeu a 5,2% deste crescimento. No acumulado do ano a receita líquida foi de R$ 3.901,3 milhões, com crescimento de 3,7% sobre os nove meses de 2016.

A Natura na América Latina a receita líquida cresceu 18,9%, em moeda local, que no terceiro trimestre avançou 18,9% em moeda local, com expansão de 7,4% no número de Consultoras, suportado por ganhos de produtividade. Em Real, esse crescimento de 11,5%, foi parcialmente afetado pela apreciação do Real sobre as moedas da região. O EBITDA aumentou 42,5% em moeda local, em Real 29,2% em relação ao 3T16. Os maiores destaques foram a Argentina e o México, com desempenho acima das expectativas, enquanto Peru vem enfrentando desafios decorrentes de seu contexto político, econômico e ambiental.

A Aesop, por sua vez, reportou um forte crescimento da receita líquida de 20,3% ( em dólares australianos) impulsionado pelo aumento de 12% das vendas mesmas lojas e pelas 27 lojas exclusivas a mais que o 3T16. Em BRL, o crescimento foi de 21,9%. A The Body Shop teve receita líquida em setembro de R$ 245,5 milhões. No trimestre, a receita líquida em Libras (pro forma) apresentou um crescimento de 1,3% sobre o mesmo trimestre do ano anterior. A empresa está no momento empenhada na campanha de Natal, com todos os modelos de negócios, como franqueados, lojas próprias, varejo e e-commerce, prontos para o período, com foco em proporcionar uma experiência diferenciada ao consumidor final.

A geração de caixa livre, antes dos impactos da aquisição da TBS, foi de R$ 142,5 milhões, contra R$ 138,3 milhões no 3T16.
A empresa conta atualmente no Brasil com 18 lojas Natura em shopping centers, sendo 13 no estado de São Paulo e 5 na cidade do Rio de Janeiro, além da presença da marca em 3,3 mil lojas de grandes redes de drogarias.

No período a empresa foi incluída pelo 4º ano consecutivo no índice Dow Jones de Sustentabilidade da Bolsa de Nova Iorque (DJSI), na carteira de mercados emergentes, e passou a integrar o índice FTSE4GOOD, criado pelo índice global FTSE Russell para medir a performance de empresas que demonstram robustas práticas ambientais, sociais e de governança corporativa.
Entre as medidas para alavancar impacto socioambiental positivo da Natura está o convênio para fortalecer o uso de produtos e serviços da sociobiodiversidade da Amazônia, assinado junto à Fundação Banco do Brasil, que irá beneficiar cerca de 200 famílias da região do Baixo Tocantins, no Pará, contribuindo para a capacitação técnica das cooperativas e a adoção de tecnologias sociais adaptadas à agricultura familiar.