No primeiro trimestre de 2019 a Natura anunciou crescimento de 4,6%, receita líquida ajustada em reais com aumento de 2,3% no 1T19, impulsionada pela Latam e queda no Brasil de 1,0%, devido ao fraco desempenho do mercado de cosméticos, fragrâncias e cuidados pessoais , e à nova política de alinhamento de preços criada para apoiar uma estratégia omnicanal sustentável, o que impactou o canal de vendas online, segundo a empresa.

O presidente da Natura João Paulo Ferreira, disse que apesar do primeiro trimestre mais fraco, a companhia está conseguindo aumentar sua participação no canal de venda direta e revelou que a empresa está preparando uma fusão completa entre os modelos de consultores online e off line. “Lançamos as contas digitais em parceria com o banco Santander que é outro fator importante para a unificação dos canais, assim como a estratégia de preços e promoções”.

Para o diretor financeiro e de relações com investidores, em teleconferência com analistas, sobre os resultados financeiros, a queda nas vendas refletiu a fraqueza do mercado brasileiro de higiene pessoal, cosméticos e perfumaria.

A empresa adotou um novo padrão contábil para arrendamentos mercantis, o IFRS 16, o que ocasionou um efeito negativo de R$ 28,5 milhões. Assim, o lucro líquido da Natura foi de R$ 13,5 milhões no primeiro trimestre deste ano, um recuo de 44,6%.

Excluindo esse efeito, a Natura & Co registrou um lucro líquido de R$ 41,9 milhões no 1T19, aumento de 72,8%, impulsionado pelo aumento do EBITDA e menor despesa financeira líquida. Esse forte crescimento foi alcançado mesmo com os efeitos da hiperinflação na Argentina e os custos de transformação da The Body Shop.

Roberto Marques, presidente executivo do Conselho de Administração de Natura & Co, declarou: “A transformação da The Body Shop segue dentro do planejado, com aumento das vendas em mesmas lojas no Reino Unido ressaltando a crescente atratividade da marca em seu maior mercado, além de significativos ganhos de eficiência que contribuíram para o aumento de 53,7% no EBITDA ajustado. E a Aesop registrou mais um trimestre de forte crescimento de dois dígitos da receita e do EBITDA ajustado. Enquanto isso, Natura &Co seguiu avançando em sustentabilidade”.

A Natura foi incluída na lista Global 100 das empresas mais sustentáveis do mundo, publicada pela revista Corporate Knights, pelo décimo ano consecutivo. O prêmio avalia 21 indicadores de desempenho, tais como gestão financeira e de recursos e receita limpa.