A Takasago, uma das cinco maiores empresas do mundo na produção de aromas e fragrâncias reduziu, em seis anos, 124.532 KWh de energia elétrica, mais de 57 toneladas de envio de resíduos para aterro e 14.382 m³ de água. Para a empresa, a questão que envolve a sustentabilidade dos ingredientes está relacionada diretamente à fonte dos insumos e aos processos de obtenção que os envolvem.

Com operações em 26 países, a empresa aposta na busca por novas tecnologias e processos que sejam sustentáveis, fator de atração de consumidores hoje em dia e, consequentemente, de peso na receita das empresas.

“Estamos sempre em busca do equilíbrio entre o meio ambiente, a eficiência econômica e a responsabilidade social”, destaca Elias Delgado, Coordenador Técnico de Segurança do Trabalho da Takasago, presente há 45 anos no mercado brasileiro.

Sendo assim, pensando no controle de emissão de poluentes durante o processo de fabricação, os ativos sintéticos são desenvolvidos dentro da plataforma Chiraroma, com diferenciais, como o alto nível de pureza (99% obtidos por meio de processos ultra reduzidos de purificação), uso de processos que não agridem o meio ambiente, utilização de matérias-primas de fontes renováveis e biodegradáveis, e menor gasto de energia de produção e de água.

“Em 2013, conquistamos a certificação ISO 14.001 – Sistema de gestão ambiental. Promovemos uma cultura de responsabilidade socioambiental, e incentivamos práticas voltadas à minimização do desperdício de materiais e produtos, preservando assim, a extração de recursos naturais”, explica.

Dessa forma, a companhia estabeleceu algumas metas que contribuíram para reduzir o desperdício no processo produtivo, atingindo excelentes resultados. “Fizemos uma análise comparativa entre os anos de 2012 e 2018 e, no período, tivemos uma redução de 124.532 KWh de energia elétrica, mais de 57 toneladas de envio de resíduos para aterro e 14.382 m³ de água”, ressalta.

Naturais ou sintéticos, os aromas e as fragrâncias são regulamentados pelo órgão internacional regulamentador IFRA (International Fragrance Association) e IOFI (International Organization of the Flavour Industry), com afiliação no Brasil pela ABIFRA (Associação Brasileira das Indústrias de Fragrâncias), e regulamentada no Brasil pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A empresa está interessada ainda, em desenvolver novos aromas e fragrâncias que tenham um gancho mais forte e duradouro, usando menos matérias-primas. Uma colaboração exclusiva com a Takasago International Corporation, no Japão, é a Química Branca com Evolva. O objetivo da colaboração é codesenvolver novas rotas de produção biossintética para vários ingredientes, com amplas aplicações na indústria de aromas e fragrâncias.