Brasil, povo sensual por natureza
                                             impulsiona o mercado de cosméticos


A Gerente de Exposições para a  in-cosméticos, Cathy Laporte, escreveu uma série de 3 artigos  com foco no mercado brasileiro de HP&Co primeiro já apresentado pela Revista SPC. Como editora do cosméticos br há 10 anos (agora em março), acrescento ainda algumas informações a este artigo, apenas para ampliar ainda mais a visão de nossos leitores nacionais e internacionais a respeito deste pulsante mercado.

Cathy Laporte  destaca que  o Brasil está a momentos de tornar-se uma força global em moda e beleza, e que as marcas agora estão se tornando  conscientes de seu potencial. “A beleza é tão importante no Brasil, que a palavra Vaidade não tem uma conotação negativa em Português do Brasil” , ela cita Alexander Edmonds, autor de Pretty Modern: Beauty, Sex and Plastic Surgery in Brazil, algo como Muito Moderna: Beleza, Sexo e Cirurgia Plástica no Brasil.

No artigo Cathy menciona dados do Euromonitor destacando que o mercado brasileiro foi avaliado em EUA $ 42 bilhões em 2012 e representa 58% do mercado latinoamericano de cuidados pessoais, e está  a caminho de ultrapassar o Japão como segundo maior mercado de beleza do mundo dentro de poucos anos. Dados que a Abihpec – Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos já havia anunciado em Abril de 2013 e em Abril de 2012: “Com 12,5% de participação no share mundial, o Brasil continuou vice-líder no segmento de Cuidados para Cabelos em 2013. E ainda: “O Brasil possui 10,1%, de market share global, contra 11,1% do Japão e 14,8% dos Estados Unidos, de acordo com o presidente da Abihpec, João Carlos Basílio.”

Laporte considera que tivemos ascensão meteórica. O mercado brasileiro de cosméticos na verdade vem apresentando resultados anuais ininterruptos de crescimento de dois dígitos desde a década de 90.

As razões da ascensão desse mercado já são conhecidas por nós: fatores macroeconômicos, tais como o aumento do salário mínimo, o crescente número de mulheres que trabalham e do aumento do poder de compra da classe média. Mas, fundamentalmente, ela diz que as duas últimas décadas também testemunharam um aumento do interesse na aparência pessoal dos brasileiros em todas as esferas sociais. 

O interesse pela higiene pessoal e aparência no Brasil data de nossos ancestrais indígenas que sempre banharam-se mais de uma vez ao dia, devido ao calor e à disponibilidade de rios. Fato que impregnou nossa cultura de beleza, assim como o hábito de se perfumar e de cuidar dos cabelos. O Brasil é um país sensual pelo clima quente, o que nos garante maior predisposição para sair, ver os amigos, dançar e namorar, e nos leva ao interesse pela aparência.

O próprio presidente da Abihpec lembrou num encontro que, numa visita ao Nordeste, descobriu o porquê do súbito aumento das vendas de enxaguantes bucais naquela região. Com a política monetária do governo que proporcionou o ‘bolsa família’ a famílias carentes, alguns itens de higiene pessoal foram acrescentados à cesta básica – um deles é o exaguante bucal, utilizado para tornar o hálito agradável em forrós, bailes de dança colada comuns na região. 

Laporte destaca no artigo pesquisa do Datamonitor apontando que  87% da população quer parecer elegante em todos os momentos (vs 47% a nível mundial) e “parecer o melhor possível no dia-a-dia ‘ é considerado importante ou muito importante por 91% dos pessoas. E assim as estariam gastando mais dinheiro com sua aparência. É fato. Entretanto, conta ainda o fato de que pela primeira vez o país vem experimentando crescimento econômico e social e, é natural para a sua população experimentar a exuberância, tanto em cosméticos, quanto em roupas e carros.

“Atualmente, o Brasil é o segundo maior mercado mundial de produtos para os cabelos, que, juntamente com fragrâncias, é responsável por quase 40% do total de vendas dentro de beleza e cuidados pessoais. Coloração e alisamento tornaram-se extremamente populares. Algumas mulheres admitem a usar quatro ou cinco produtos para o cabelo por dia, em uma tentativa de criar o seu look perfeito.  Como jornalista brasileira posso atestar que esta é a mais pura verdade. Talvez até mais produtos – 6 ou 7 – , se considerarmos os produtos styling.

Cathy Laporte  fala ainda que a nossa apetência por cabelos lisos – já que a maior parte da população , descendente de negros e índios  oferece um contraponto às brasileiras – foi capturada em todo o mundo: a “escova progressiva”  brasileira é hoje um dos estilos mais requisitados em salões de beleza. “Combine a isso  o fato de que os cuidados com os cabelos é a categoria de produto mais exportada e o país está rapidamente se tornando um hub de tendências para a indústria global da beleza”, diz.

O Brasil é o maior mercado do mundo para desodorantes e perfumes, o terceiro maior em maquiagem e higiene oral e o quarto maior em produtos para a pele. É também o segundo maior mercado de produtos de beleza masculina. “Os homens brasileiros estão mais conscientes de si mesmos do que nunca, e este segmento de mercado deverá ter um crescimento dinâmico em vendas, impulsionado em grande parte pela introdução de produtos sofisticados de valor agregado”, diz a Gerente de Exposições para a in-cosmetics.

De acordo com ABHIPEC (Associação Brasileira de Cosméticos, Higiene Pessoal , Perfumaria e Indústria) , há 2.392 indústrias cosméticas, de  higiene pessoal e de perfumaria no Brasil, predominantemente localizadas na região Sudeste do país. Destas, as cinco principais empresas líderes – Natura Cosméticos , Unilever Brasil , a Avon cosméticos , Procter & Gamble do Brasil e Botica Comercial Farmacêutica (O Boticário ) – são responsáveis por 50% das vendas globais de valor.

Laporte destaca que uma recente mudança em empresas de venda direta para lojas com base em varejo está provocando uma mudança nessa estrutura de mercado. O que é verdade. Mas não é só a chegada de grandes marcas internacionais que está dando origem a um intenso movimento no varejo. Empresas locais, como Natura, de venda direta e O Boticário, maior franquia do mundo em cosméticos, com mais de 3600 lojas no País, disputam entre si. O  Grupo Boticário hoje é dono de mais 3 marcas, duas delas – Eudora e a própria marca O Boticário estão atuando também em venda direta. A Natura deve implantar sua primeira loja física no segundo semestre e, a partir daí o projeto deverá crescer pelo Brasil.

Histórias de sucesso de empresas como a Sephora – que entrou no mercado em 2010, com sua primeira loja em 2012 e previsão de ter mais 10 até o final de 2013 – são comuns e continuarão a abundar uma vez que especialistas em beleza no varejo continuam sua corrida como o canal de crescimento mais rápido canal dos últimos anos, acredita Laporte.

E conclui: “Agora, no entanto, está claro que o mundo está finalmente acordando para o mercado brasileiro de beleza e para o enorme potencial que ele tem a oferecer. Ele não apenas se tornou poderoso em moda e beleza na América Latina, mas esta força emergente deverá ser dominante no mundo ao longo dos próximos anos – e o sucesso está a centímetros do seu alcance.”

Entretanto, há não muito tempo atrás esta jornalista leu e ouviu entrevista de um analista de mercado que desdenhava do barulho que o mercado brasileiro de cosméticos estava causando, se o que tínhamos na verdade era uma população muito grande que estava começando a ter acesso à beleza. 

A marola foi mais forte, se transformou numa onda tão forte que hoje ditamos tendências, como comprova o artigo acima. E a grande maioria das casas de fragrâncias do mundo, pelo menos as maiores, vieram se instalar no país, assim como as grandes empresasquímicas,  de embalagem, vidro, etc. 

A acrescentar, apenas o fato de que o brasileiro, por seu dom natural da busca pelo prazer, pelo bem estar e pela beleza, é hoje em dia público muito exigente, que conhece e coleciona fragrâncias como nenhum outro povo do mundo. Vale dizer que esse conhecimento foi apenas a partir de 1992, quando o país reduziu as taxas de importação, que incluía o mercado cosmético.

                               

Sobre a in-cosmetics

Para comemorar o ano de colaboração entre Alemanha e Brasil, a in-cosmetics – feira internacional especializada em ingredientes para produtos de beleza e higiene pessoal, que acontecerá de 1 a 3 de abril, em Hamburgo, Alemanha – contará com um novo espaço: o Country Focus. Dedicado ao Brasil, o espaço irá explorar a forma como o país tornou-se uma potência na indústria de cosméticos, com destaques como o programa de conteúdo educativo e um ‘Brasil Trail’ de projetos originais e ingredientes exclusivos e formulações de expositores. Haverá também exemplos de cuidados inovadores pele, cosméticos de cores e produtos de beleza do cuidado de cabelo do Brasil escolhidos a dedo pela Mintel, bem como uma zona de rede com um bar brasileiro vai abrigar visitantes para discutir parcerias de negócios em detalhes.