Dentro da série Embalagens, trataremos agora de tampas e dispensadores,  mais comumente conhecidas como dispensers, sistemas que entregam o conteúdo do frasco ao consumidor, uma indústria que viu seu crescimento no Brasil estritamente ligado ao crescimento da indústria de cosméticos.

Para se ter uma idéia do tamanho e da dinâmica deste mercado, a venda de tampas de produtos de beleza e cuidados pessoais no Brasil somou 7 bilhões de unidades em 2014, um crescimento de 27% desde 2009 de acordo com dados da Euromonitor, uma das principais empresas de pesquisa de mercado do mundo. Até 2019 esse número no Brasil deverá chegar a 8,7 bilhões de unidades vendidas, um crescimento de quase 24%, para todos os tipos de tampas de todos os tipos de embalagem dentro de Beleza e Cuidados Pessoais. Portanto, este ainda é um mercado promissor no Brasil, independente da crise pela qual o país atravessa

Apesar do mercado já ser sedimentado, não é raro novas marcas aportarem ao país e ajudam a impulsionar as vendas. A marca grega Korres, por exemplo, chegou ao país em maio deste ano e, apesar de ter sua distribuição feita por catálogo pela Avon, seus produtos tem as embalagens nacionalizadas.


Korres
Tampa branca para frasco preto no Sérum da marca grega Korres

A empresa optou por embalagens padrão (standard), mas com identidade própria, como a do Sérum Black Pine, produto de cuidados para o rosto, que é apresentado em embalagem escura, com uma eficiente e bonita tampa conta-gotas branca. “O produto possui uma fórmula altamente concentrada, precisa que a quantidade utilizada seja menor, por isso a escolha de um conta-gotas para o frasco de vidro escuro que protege a fórmula, garantindo suas propriedades. O conta-gotas é composto de uma tampa de PP com capa metálica em alumínio, e uma cânula de borossilicato,” explica Raquel Gonçalves , engenheira de embalagens da marca Korres no Brasil. “Para produtos exclusivos para a Korres Latam a empresa faz o desenvolvimento conjunto com o time da Grécia, onde são repassadas informações deste mercado e as opções disponíveis para embalagem,” acrescenta.

Normalmente as embalagens de fragrâncias se diferenciam das embalagens de produtos de Higiene Pessoal e beleza em acabamento (design e detalhes mais elaborados) e também em materiais. “Para fragrâncias é mais comum utilizar nas tampas e bombas, plásticos especiais com transparência e brilho e alumínio, tanto pela questão estética quanto técnica, já que as fragrâncias possuem ingredientes agressivos aos materiais plásticos mais comuns. No caso dos itens de Higiene Pessoal e beleza, materiais mais flexíveis e de consumo massivo (PP e PE),” explica Maurício Carini, Diretor de Desenvolvimento da Aptar Beauty Market Latam. O último lançamento da Aptar em fragrâncias Aptar NOTE, retoma o gesto discreto de aplicação direta na pele. Ideal para eau de parfum, elixir e perfumes intensos, possibilitando ao consumidor  escolher a dose e onde aplicá-lo.

aptarNote
Aptar NOTE

Mesmo para as fragrâncias, as embalagens da Korres são simples, mas muito elegantes. “Nas Fragrâncias de Korres as tampas utilizadas são compostas por um inserto em PP e uma sobretampa metálica em alumínio. Temos uma versão pintada (branca) e uma anodizada (preta). Elas são fabricadas no Brasil. As fragrâncias também possuem válvulas dispenser, do modelo fine mist,” conta a engenheira de embalagens.

Uma tampa compreende tecnologia e design específicos para “além de proteger os produtos, ser higiênica, ou seja, que não deixe escorrer o produto de seu conteúdo, não permitir o acúmulo de resíduos, que permita controle sobre a quantidade de produto utilizada de modo a não desperdiçá-lo, sobretudo, que sejam confortáveis de utilizar – de preferência com uma única mão – e fáceis de aplicar,” na definição da WestRock, uma das maiores empresas de embalagem com atuação em praticamente todo o mundo e especializada em embalagens de papelão ondulado e em válvulas para cosméticos e perfumes.

Para quem pensa que modelos standard são simplistas, as possibilidades em tampas de alumínio standard, por exemplo, permitem inúmeras possibilidades de formas, cores e acabamento. “Além disso, a grande vantagem é que o alumínio é 100% reciclável indefinidamente, ” diz Almir Barberini, diretor da Bristol e Pivaudran, no mercado há 46 anos e cujo foco é o mercado de perfumaria e cosméticos.

A grande vantagem das tampas modelo standard, no entanto, além do preço competitivo, é o da possibilidade de atender a entregas em curto prazo. “O formato é standard, mas elas permitem variações de acabamento (brilhante ou fosco) e cores. Temos centenas de cores pré-definidas à disposição do mercado. Além disso, as tampas standard foram criadas atender à todos os diâmetros normatizados, seja para frascos de perfumaria, potes e bisnagas,” diz Almir Barberini .

BristolnaturaH
Exemplo de tampa metalizada com colar, da Bristol e Pivaudran

Esse tipo de tampa requer um cash, ou colar, uma solução estética para esconder o recrave da válvula no vidro. É o elemento ao qual a tampa se acopla para formar a embalagem final. “A tampa e o colar são elementos que devem existir em perfeito ajuste dimensional e estético. Para que isso ocorra, na produção das tampas e caches , seguimos normas e especificações técnicas bem definidas com os clientes, para que o produto final chegue às mãos do público com atributos técnicos e sensoriais de alta qualidade,” explica o diretor da Bristol e Pivaudran.

Entretanto, decidir o melhor tipo de tampa para determinado produto envolve mais do que questões técnicas, envolve funcionalidade. “Uma das funções da tampa em um produto é conter. Mas, ao mesmo tempo em que contêm, elas podem ser o caminho final na aplicação do produto. A ‘última fronteira’ entre a embalagem e o corpo do consumidor,” avalia Rodrigo Madalosso Wielecosseles, gerente de Desenvolvimento de Produtos no Grupo Boticário. “Sprays caps vêm fazendo bem essa dupla função no Grupo Boticário. Vide Malbec, Quasar, Uomini, produtos da unidade O Boticário,” diz. “Em produtos de cabelo e corpo, as tampas podem ser de flip tops, disc tops, bombas, ou até mesmo simples tampas que protegem e vedam o batoque do frasco para continuar contendo o produto,” acrescenta.

Uomini

Uomini, de O Boticario: spray caps

Mesmo uma grande empresa como O Boticário com inúmeros lançamentos ao longo de sua trajetória, são avaliados tanto embalagens e tampas exclusivas, quanto standard. Rodrigo Madalosso explica o que conta nessa escolha: “Dentro do portfolio de produtos das unidades de negócio O Boticário, Eudora, quem disse, berenice? e The Beauty Box, que compõem o Grupo Boticário, pode-se encontrar tampas exclusivas e standards. Cada uma com sua identidade e proposta de valor bem marcada e analisada para que possa ornar o produto e dar-lhe a tal praticidade e funcionalidade esperada.”

“Na maioria dos casos, as tampas de fragrâncias são desenvolvidas com materiais especiais, como plásticos que oferecem a maior transparência possível ou permitam acabamento especiais, como pintura e metalização, além da resistência química devido a agressividade dos ingredientes das fragrâncias, indica Maurício Carine, da Aptar.

“Em se tratando de válvulas (bombas spray), para perfumaria a principal característica é a pequena quantidade de fragrância dispensada com maior pulverização e o principal componente é o alumínio, que remete ao luxo, ao contrário dos itens de Higiene Pessoal, que necessita de uma maior quantidade de produto durante a aplicação e consegue uma maior flexibilidade de materiais em plásticos e/ou alumínio,” explica Carine.

Uma tampa exclusiva demanda design, materiais especiais e especificidades técnicas, que em geral o briefing do marketing da empresa aponta. “O briefing sempre é o que nos guia no desenvolvimento. No entanto, temos que avaliar se ele é viável tecnicamente e, em 95% dos casos, nós temos que propor ajustes no shape da peça para que a produção seja viável,” conta Andréia Johansen, diretora de vendas e marketing da Incom. “A Incom é pioneira no uso do Surlyn (Dupont) no Brasil para a fabricação de tampas de perfumaria fina. Normalmente é essa resina que usamos em maior frequência, mas também trabalhamos com outros materiais como PP, PCTA, ABS, entre outros,” aponta.

Nos materiais para tampas a busca pela estética nem sempre é possível de ser atendida. O conteúdo do frasco tem grande importância na definição do material, além de sua proposta comercial.

“A linha Detox de Bio Extratus, tem uma nova embalagem, cujo shampoo e condicionador apresentam tampa com dispenser pump. A empresa passou a adotar este tipo de tampa para produtos para os cabelos a partir de 2014, por conta do lançamento de Bio Extratus Spécialiste, que tem visual sofisticado. Assim, a escolha de uma válvula com acabamento dourado, foi fundamental para que o designer da embalagem traduzisse o conceito de luxo,” ressalta Janaína Gomes, gerente industrial da Bio Extratus. “A escolha da tampa mais adequada, deve levar em conta o visual e também aspectos técnicos, como a viscosidade do produto.”

Bio Extratus

Dispenser da linha Detox de Bio Extratus

A Qualipack, do Grupo Pochet, incluindo Pochet du Courval (vidro & decoração) e Solev (metalização & decoração) que integra tecnologias de metal e plástico(injeção e extrusão, galvanoplastia, verniz UV, metalização, injeção de ZAMAC, estamparia, polimento, anodização, decoração e gravação a laser), dispõe da tecnologia para resfriamento do Surlyn que é inovadora e exclusiva do grupo. “Temos muito orgulho de afirmar que os equipamentos que temos na França foram duplicados em nossa unidade no Brasil,” diz Meire Elly Tescer, diretora comercial da Ipel Qualipac Brasil.

Na WestRock, o processo de desenvolvimento de produtos é inspirado no consumidor e seus hábitos. “Nossas válvulas e sprays, por exemplo, potencializam a personalidade única de cada fragrância, criando uma conexão emocional entre o consumidor e o produto, para aumentar o desejo de recompra. No caso de dispensadoras a empresa foca em excelência no desempenho e design moderno, para garantir que as fórmulas de seus clientes permaneçam puras, impedindo que o produto entre em contato com componentes metálicos,” diz a empresa.

“A indústria ainda foca muito no design para atrair o consumidor no momento da compra, mas nossas pesquisas indicam que é no momento da utilização que os consumidores determinam se aquele produto entrará na sua rotina,” ressalta a companhia.

Só para se ter uma idéia do que um dispenser pode ser criativo, a empresa desenvolveu NoC, o primeiro pescante invisível do mundo, utilizando uma tecnologia que o faz desaparecer em contato com o produto. Uma solução que revolucionou o mercado de fragrâncias com seu design inovador, discreto, minimalista.

Outra solução famosa é Melodie®, que proporciona um spray luxuoso, com aparência discreta e versátil. Nessa linha há outras quatro opções de spray com diferentes personalizações: com atuação sólida focada e homogênea Melodie Agile™, fina e prolongada nebulização aerada e volumosa (Melodie Forever™); spray perfeito, mesmo para fórmulas à base de água, evitando a sensação de pele molhada (Melodie Pure™); spray discreto, elegante, feminino (Melodie Delicate™)

Westrock
WestRock – pescante invisível

Crise e o Mercado
Assim como apontamos em nossa matéria anterior da série Embalagens, sobre a indústria vidreira, as tampas também são um termômetro para sentir o pulso do mercado cosmético. Elas indicam o movimento da produção das empresas.

“Nossa percepção foi que com a crise econômica alguns comportamentos de consumo também mudaram. Em fragrância notamos, através de estudos e acompanhamento de nossas vendas , aumento no consumo de embalagens com tamanho reduzido. Além disso , percebemos o aumento no consumo de embalagens para colônias e redução de perfumes (maior concentração de fragrância). Também percebemos maior quantidade de lançamentos utilizando a mesma embalagem com mudanças no acabamento e menor número de projetos customizados que requerem maiores investimentos em ferramental e linhas de produção,” avalia Maurício Maurício Carini, da Aptar.

“O Brasil, apesar da crise é o terceiro maior mercado de cosméticos e cuidados pessoais no mundo, atrás da China e dos Estados Unidos e as oportunidades de acompanhar esse mercado e atender de forma diferenciada suas demandas são muito relevantes,” avalia a WestRock que especificamente para o negócio de Consumer Packaging – reúne válvulas dispensadoras e sprays utilizados para o mercado Beauty & Personal Care no Brasil e planeja investir R$ 100 milhões até 2020 no país.

Assim, o mercado de embalagens, e também nesse segmento específico de tampas e dispensers, a crise não chega a impedir que a indústria brasileira de cosméticos cresça. Mesmo em retração – e por motivos alheios ao mercado – , ela cresce.

“Momentos de crise são importantes, pois tornam os clientes mais racionais e seletivos sobre os desenvolvimentos. Existe uma concentração de esforços em lançamentos mais assertivos e uma busca para trazer ao mercado um produto realmente diferenciado. A atenção aos custos sempre é um ponto crucial, seja em épocas de crise ou não. Em momentos mais complicados da economia os clientes tendem a estar mais abertos para escutar soluções dos fornecedores que possam trazer otimizações de custos/produção,” diz Andréia Johansen da Incom. E essa é uma oportunidade interessante para se conhecer novos parceiros, inovar, buscar soluções diferentes e aprender.