Em recente lançamento Natura Humor, durante a semana de moda em São Paulo, o cosméticos br falou com Denise Figueiredo sobre a nova linha e muito mais: sobre o seu trabalho, à frente da perfumaria infantil da empresa, linhas de tratamento para o rosto e proteção solar.

1 – Sua área, entre outras atividades, lida com perfumaria infantil, você podia discorrer sobre alguns aspectos desse público?

Com esse público precisamos ter um cuidado fora do comum, especialmente para os bebês. A linha Mamãe e Bebê, por exemplo, procura trazer formulações super seguras. Então, não usamos mais conservantes, temos trabalhado com princípios ativos bastante seguros, que portanto não façam mal à pele do bebê.
Na perfumaria, nossas colônias são formuladas principalmente para o gosto da mãe e sua característica principal é a suavidade. São fragrâncias sem álcool. Não trabalhamos mais com maceração, porque no caso da linha Mamãe e Bebê, já estamos trabalhando com um caminho de colipa free – ingredientes de alto potencial alergênico.
Então a Natura já começa a trabalhar sem esses ingredientes colipa free, que são na sua maioria, sintéticos.  Existe uma tabela de um órgão francês, vigente em toda Europa, que determina quais são os componentes com grande potencial alergênico e as empresas procuram trabalhar fora dessas matérias primas.

2 – A linha Mamãe e Bebê deverá ir para a Europa?

Deverá ir sim. É o nosso próximo passo.


3 – Natura Chronos com Spilol já está nos mercados externos?

No segundo semestre o produto deverá ser incorporado ao portifólio da França. No primeiro semestre deverá ser incluído um outro produto, que ainda segredo.

4 – Que chances um produto para o rosto com Spilol, que é uma matéria prima brasileira, da flora Amazônica, ou seja, ainda desconhecido de mercados maduros, tem de competir internacionalmente? Sua abordagem tem maior chance diante do exotismo de sua matéria prima ou a tecnologia com que ela foi processada?

É a tecnologia vindo da biodiversidade brasileira. A Natura utilizou tecnologia de ponta para transformar o ativo com propriedades tratamentosas super eficazes. Trata-se de tecnologia e biodioversidade brasileiras, num só produto. No entanto, nosso grande potencial, na verdade é a tecnologia da biodiversidade brasileira. Ou seja, a Natura transformando seu conhecimento em ingredientes ativos naturais, em potentes ingredientes tecnológicos para tratamento para o rosto.

5 – E que tipo de resposta essa prerrogativa tem na Europa e demais mercados internacionais?

Eu acho que ela produz uma certa diferenciação, uma vez que se trata de um mercado muito maduro, onde a tecnologia é interativa. É oferecer um tratamento diferenciado e  com tecnologia.  A nossa abordagem inclusive tem uma proposta diferenciada, que traz o conceito da mulher que é bonita de verdade, o combate aos esteriótipos.

6 – A empresa deverá continuar investindo em pesquisas e produtos com ativos da biodiversidade brasileira este ano? A empresa é permeável a tendências internacionais para essa área?

A Natura está antenada ao que existe de mais moderno no mundo da cosmética e nós traduzimos essas tendências para o DNA da marca, para a sua característica principal e transformamos isso em produtos para o nosso portfolio.
A Natura não olha para os ingredientes brasileiros, mas para as parcerias que possivelmente ela possa fazer com universidade e laboratórios que estão aí. Quer dizer, a sua rede não tem sido exclusivamente brasileira. Hoje a empresa já se considera uma empresa internacional – Natura Mundi.

7 – A linha Ekos continuará a ser desenvolvida apenas com ativos da biodiversidade brasileira?

O conceito da linha Ekos é baseado na tradição popular e nos ativos da biodiversidade brasileira. Mas, mais e mais a Natura caminha para trazer a vegetalização para as suas formulações, que está no DNA dela desde quando ela foi criada.


8 – O lançamento da linha Natura Humor, também incorpora ativos da biodiversidade brasileira?

De certa forma sim, porque estamos trazendo na composição das fragrâncias um coração, que é uma combinação de óleos essenciais exclusivos da Natura, dentre eles óleos essenciais de priprioca e breu branco que são da biodiversidade brasileira. Esse coração é o que dá a personalidade do perfume e incorporamos isso ao Natura Humor, uma forma divertida de trazer esse tema – o humor – para a questão do bem estar. Resolvemos buscar inspiração para esses dois produtos no humor das relações, já que o humor é o tempero delas.


9 – Qual a proposta olfativa e de embalagem para Natura Humor?

Em Natura Humor fizemos um blend de óleos essenciais naturais exclusivos. O perfume nº 1 tem notas que lembram um coquetel de frutas. Já o nº 2 tem notas mais cítricas. Para trazer toda a expressão dessa marca de humor, nós contamos com o trabalho de cartunistas, como Caco Galhardo, Adão e Angeli. A proposta da cartucheria, por exemplo, é a de mudar as charges a cada lote (cerca de dois meses). Então toda linguagem visual da linha entra nesta questão. Você tem histórias de amor com humor. Quando você abre a caixa há uma tira lateral em que você encontra uma charge.


10 – Hoje em dia fala-se muito em proteção solar, e, de uma maneira indireta  nos autobronzeadores. Porque para este verão a Natura, não lançou o seu autobronzeador, apenas em 2004?

O fato de termos descontinuado a produção dos autobronzeadores é que percebemos que precisamos evoluir muito nas formulações e isso é um fato natural no mercado. A consumidora brasileira ainda não sabe usar autobronzeadores. Na maioria das vezes, ao aplicar o produto ela acaba se manchando e ela atribui isso ao produto. E isso nos causou enormes problemas. Enquanto não tivermos uma formulação e um método de aplicação que não seja auto-explicativo, não vamos trabalhar com o produto, pelo menos por enquanto. As pessoas reclamam de duas coisas: que mancha, e aí é uma questão de aplicação, tem gente que não lava a mão depois da aplicação e aí fica com a palma da mão bronzeada também. E há ainda o cheiro forte, que é próprio do princípio ativo. Você trabalha não no princípio ativo, mas no inibidor daquele cheiro.

12 – Voltando à linha Natura Humor, tornar as embalagens mais simples e orgânicas é uma proposta da Natura?

Simples é uma palavra que tem mais interpretações. O que a Natura busca é uma consciência ambiental muito forte, ela tem procurado ao desenvolver suas embalagens avaliando o impacto ambiental que elas produzem e tem feito um trabalho junto aos consumidores para que utilizarem refis, uma forma de aos poucos provocar menos impacto ambiental.

13 – A forma dos frascos têm decorações alusivas ao amor ou ao humor que os torne atrativos?

Não estamos falando do amor sensual, mas no humor nas relações e quisemos traduzir isso com frascos bonitos, de formas orgânicas, então existe uma idéia mesmo de que eles sejam simples, o conteúdo é que deve ser precioso.