1 – Como O Boticário se posiciona no mercado de maquiagem?

Não temos números, mas certamente que somos um dos grandes players do segmento no mercado brasileiro.  No varejo temos a maior rede distribuição porque temos 2.400 lojas em todo o país e com 3 linhas completas de maquiagem. O que dá para nós e para a consumidora uma facilidade de acesso impressionante porque não é só ter o produto é ter um time de pessoas treinadas que podem oferecer qualidade de atendimento. Temos sistema de TV interna que permite que os lançamentos cheguem com informações precisas e completas para toda a rede.

2 – Do lançamento da primeira marca de maquiagem, em que as embalagens eram de madeira, à última coleção primavera-verão O Boticário, de inspiração tailandesa, o segmento dentro da marca evoluiu e se sofisticou notadamente.  Quais as apostas da empresa para o segmento?

São imensas. Está é uma área estratégica para O Boticário, porque o envolvimento (penetração) da maquiagem entre as consumidoras é muito grande. A do batom, por exemplo, é de 77 %. A maquiagem faz parte do ritual de beleza da mulher.

3 – De que maneira a empresa vê o mercado da maquiagem, ou seja, qual o seu conceito de uma forma geral para produzir maquiagem?

Demos muito foco no novo olhar da mulher, porque ele encerra uma revolução silenciosa. Hoje a mulher tem atitude. Ela sabe que pode ser provedora e não admite mais ser tratada sem consideração. São mulheres antenadas com a tecnologia dos celulares, computadores, DVDs, etc e que exigem maior tecnologia na sua maquiagem. Hoje a mulher tem um novo olhar dentro das empresas. Elas não precisam mais usar ternos ou ter atitudes masculinas, nem seguir os princípios masculinos. Elas implementaram a flexibilidade, o consenso e a intuição nas empresas. Então esse olhar feminino entendemos também como um diferencial.

O mercado mundial de maquiagem hoje é de US$22 bns, 25% só em produtos para os olhos. É o mercado que mais cresce, tanto no Brasil quanto no mundo, mostrando essa busca pelo novo olhar.


4 – Quais são as linhas que a marca desenvolve e qual o conceito de cada uma delas?

A marca trabalha com três linhas.  A primeira – Ma Chèrie, para o segmento infantil (até 10 anos), é composta por brilhos labiais com sabores. Depois temos a maquiagem para o segmento jovem, com a linha Cores e, para o segmento adulto, a Maquiagem O Boticário. São linhas diferentes entre si, porque partiram de estudos a partir da necessidade das consumidoras.
A maquiagem para meninas de até 10 anos, que estão aprendendo a dosar, tem produtos para serem aplicados com o dedo e também tem produtos transparentes, para que elas tenham a percepção da dosagem e também não precisem retirar quando erram. Para entender suas necessidades, analisamos estas crianças numa sala observando o gestual delas.
Então, partimos sempre da análise do hábito do consumidor, para que estas informações sejam enviadas ao laboratório para o desenvolvimento das linhas.

Temos uma linha para jovens, em que utilizamos o mesmo critério. Ficamos atrás do espelho observando o gestual de aplicação. No caso das jovens, temos ainda que incorporar a sua atitude e comportamento frente ao mundo. Então víamos o que elas carregavam nas bolsas, que produtos apreciavam, o que elas queriam e para quais momentos. Juntamos ainda suas atitudes em relação á vida e ao mundo e vimos como elas reagiam frente a tudo isso. Então voltamos à sala de pesquisa e ajustamos todos os produtos. Hoje temos uma linha de maquiagem com a cara delas. Exemplo disso é o Kit Balada, composto por um spray bucal sabor menta de um lado de um bastão e do outro um brilho labial também com sabor menta (para usarem enquanto dançam, já que o hálito agradável favorece o romance).

A Maquiagem O Boticário é uma linha mais sofisticada, para mulheres que trabalham fora, que vão a eventos sociais e sabem usar maquiagem. Que já tiveram um aprendizado de maquiagem e se abrem para produtos mais sofisticados. Elas entendem de textura, perfume e brilho. Então, é um trabalho de desenvolvimento de fórmula muito mais difícil, porque este público sabe julgar o produto e espera inovações. Sendo assim, já estamos trabalhando para a maquiagem de 2010.


5 – De que forma estas pesquisas são realizadas?

Empregamos vários tipos de pesquisas. Uma inclusive que não é comum.
As jovens levam tudo no bolso numa balada. Então fizemos uma pesquisa se a latinha derretia ou não no bolso. Isso significa entender o hábito de uso e não deixa de ser uma inovação: descobrir a condição extrema de uso. Outra descoberta em comportamento é que meninas que não namoram freqüentam muito mais as baladas. Ou a exigência de produtos de longa duração para as mulheres que trabalham fora e utilizam maquiagem mais assiduamente. Com pesquisas assim o universo de possibilidades de produtos se abre muito.

6 – Vocês utilizam também pesquisas de empresas especializadas? Ou de outras origens?

Utilizamos informações da Abihpec, institutos de pesquisa, pesquisas de comportamento da MTV, Editora Abril, mercado de moda. Procuramos hábitos de como eles consomem calças jeans ou música para entendermos do que estas consumidoras gostam.


7 – Qual a aposta da marca em relação às embalagens para as mulheres mais habituadas a maquiagem?

Sofisticação, praticidade. O olhar para o belo está em tudo, se a embalagem não transmitir beleza e refinamento, não vende. Posso ter uma fórmula fantástica, mas se a embalagem não me transmitir isso não vou vender o produto. Para nós o aspecto funcional, a aparência ou o que ela proporciona têm o mesmo peso.

Consideramos a consumidora de maquiagem não só do Brasil, mas mundo todo. Se um ativo traz grande valor para a tornar mais bonita, buscamos essa tecnologia aonde for e atender a essa expectativa dela. O que queremos é oferecer, dar o acesso a produtos diferenciados, com tecnologia e sofisticação em produtos que tenham melhor desempenho.

Um produto que para nós foi um desafio foi o Start Up Brilho Labial, porque o pincel não tem no Brasil e ele deposita mais produto nos lábios. Como o produto tem mais partículas luminosas, ele dá a impressão de proporcionar mais volume.


8 – E porque a nova coleção Maquiagem O Boticário tem tantas opções para os lábios?

O imaginário de você ter muitos efeitos e ofertas diferentes para os lábios encanta as mulheres.  A partir do batom a consumidora olha uma marca de beleza e é aí então que me aproximo mais da consumidora.
Quando ela chega a uma certa idade ela já conhece bem os tipos de produtos e sabe o efeito pode obter em cada ocasião, social ou numa situação de trabalho.

9 – Então, a mulher de uma forma geral, conhecedora de seus potenciais, exige bons produtos que realcem o seu novo comportamento na sociedade?

É o reflexo dessa atitude em consumo. Outro reflexo dessa nova atitude, que eu disse anteriormente em relação ao novo olhar da mulher, está exatamente na maquiagem com brilho. Se você reparar bem, a moda traz muito brilho. A tecnologia luminosa é este momento de brilho interior da mulher que transparece. A mulher quer ser tratada diferente, com doçura. Os tecidos estão mudando, as texturas estão nos fios, nos cremes e nos produtos de maquiagem também. Há a doçura no contato que proporcionam aconchego, em todos os segmentos. Isso é uma atitude feminina. Nos anos 90 ela precisava conquistar espaços. Hoje ela pode usar os princípios femininos e isso se reflete no consumo.

10 – O Boticário se preocupa em tornar sua maquiagem um produto de tratamento?

Os benefícios do tratamento são sempre aliados. Nos filtro solares, que usamos há tempos, na Vitamina E e na Vitamina F (Ômega 6),  que age na recuperação dos tecidos. Ele está no Nutri Batom. Dentro de nosso trabalho no laboratório procuramos agregar substâncias que tenham sinergia com os produtos de maquiagem.