A Natura, multinacional brasileira de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, que por mais de três décadas atuou exclusivamente no canal de venda direta, ao completar 45 anos atende as necessidades de consumo da vida moderna, revitalizando a venda direta – com novos meios de pagamento e desenvolvimento de aplicativos exclusivos para as consultoras, além da plataforma de consultoria digital Rede Natura – e avançando em sua estratégia multicanal: passa a integrar a partir de hoje o canal de varejo, com a inauguração da primeira de uma rede de lojas próprias no Brasil.

A partir de agora a marca tem um endereço físico para a experimentação e comercialização de seus produtos no Morumbi Shopping em São Paulo. O espaço de 68 m2 traduz o universo da marca e, diferente da loja conceito, que funcionou por dois anos em um endereço de luxo nos Jardins, em São Paulo, a nova loja Natura tem espaço compacto e comercialmente acessível a uma futura e eventual comercialização de lojas franqueadas.

Entretanto, de acordo com o vice-presidente comercial da Natura, João Paulo Ferreira, mais do que uma loja conceito, essa loja tem um objetivo de negócio, formatado para o crescimento, que pode acontecer ou não através de franquias.
“Nosso foco agora é criar algumas unidades próprias para que possamos fixar o conceito, aprender e fazer ajustes antes de iniciar a nossa expansão, que é na verdade o nosso desejo. Essa expansão pode se dar através de lojas próprias ou eventualmente de lojas franqueadas. E isso não acontecerá no curto prazo,” disse João Paulo Ferreira hoje na inauguração.

O modelo da loja foi escolhido de forma colaborativa, com a participação dos próprios clientes, além de consultoras e colaboradores da Natura. Ela tem portfólio amplo e selecionado, com experimentação de produtos de categorias diversas, como maquiagem, perfumaria, corpo, rosto e sabonetes. Conta com duas mesas centrais equipadas com espelhos, provadores de perfumes e pia, para que os clientes possam provar os produtos e vivenciar os valores da marca, como por exemplo, o compromisso da marca com a geração de impactos sociais e ambientais positivos. A loja é carbono zero, o que significa que tudo o que se vê nela, toda a energia e material empregado nela foram compensados à natureza.

Loja_Natura_Prod

De acordo com a Natura a loja deverá trazer efeitos positivos para todos os canais – quem compra na loja também poderá comprar de uma consultora em outra ocasião. Mas o modelo varejo é separado do modelo venda direta, assim como a comercialização da linha Sou em farmácias.

“A loja apresenta 40% do nosso portfólio, diferente da revista que tem o portfólio inteiro. Aqui as promoções e toda a dinâmica seguem o fluxo do varejo e não o da venda direta. Na medida do possível e para favorecer o consumidor, vamos tentar fazer essa integração, mas operando comercialmente com modelos distintos”, disse Andrea Éboli, diretora de marketing da Natura.

O projeto escolhido foi criado pelo escritório de arquitetura Santa Irreverência, de Niterói (RJ), e a comunicação visual da loja ficou a cargo da agência de visual merchandising Vimer. Ele privilegia madeiras recicladas de origens diversas e sustentáveis e a experiência sensorial da loja inclui ainda trilha musical com artistas nacionais patrocinados pelo programa Natura Musical, além da assinatura olfativa, que remete à fragrância de Erva Doce, um clássico da Natura.