O Boticário acaba de apresentar, em um evento em Nova York, as primeiras fragrâncias do mundo desenvolvidas com a ajuda da Inteligência Artificial.

Em duas versões, as fragrâncias começam a ser comercializadas através dos multicanais da marca a partir do segundo semestre de 2019. Elas foram criadas junto com a casa de fragrâncias global Symrise, com a IBM Research, divisão de pesquisa e desenvolvimento industrial da IBM e O Boticário adicionou sua expertise e sensibilidade à mais avançada tecnologia para as novas criações.

“Queríamos criar um produto direcionado para quem quer aproveitar a vida ao máximo, característico da geração Millennial, quer ser livre para fazer suas escolhas – das mais previsíveis às mais inusitadas. Que tivesse tudo a ver com o gosto do consumidor brasileiro e a melhor combinação para quem é curioso e adora viver novas experiências”, explica o gerente de Perfumaria do Boticário, Jean Bueno.

A Symrise usou a Phylira – a solução de Inteligência Artificial desenvolvida pela IBM Research que dispõe de novos e avançados algoritmos de aprendizado automático para examinar milhões de fórmulas e milhares de ingredientes de forma a identificar padrões e novas combinações. O resultado foi a criação de duas versões inusitadas de fragrâncias, que combinam frutas, flores, doces, especiarias, madeiras e até pepino.

Com as essências em mãos, o time de Pesquisa e Desenvolvimento do Grupo Boticário refinou a combinação e chegou à duas primeiras fragrâncias criadas com a ajuda da Inteligência Artificial. “O que parecia uma combinação totalmente improvável resultou em fragrâncias que surpreenderam até mesmo a nossa equipe e que só precisaram do nosso toque final para a finalização. É a alquimia perfeita entre homem e tecnologia, traduzida para a perfumaria”, lembra Jean.

O conhecimento sobre as preferências do consumidor e a sensibilidade dos perfumistas levaram à assertividade de Philyra , o que abriu para a empresa um novo caminho para a inovação em perfumaria.

“Um assistente de inteligência artificial não consegue cheirar uma fragrância. Mas, ao contrário de um humano, consegue aprender rapidamente o desempenho de milhões de fórmulas e criar fórmulas de fragrâncias únicas, alinhadas às preferências das pessoas. O perfumista é quem vai cheirar essas fórmulas e, se necessário, fazer seus ajustes para criar uma nova e maravilhosa fragrância,” diz Richard Goodwin, Principal Research Scientist da IBM.

De acordo com o gerente de Pesquisa e Desenvolvimento do Grupo Boticário, Tiago Martinello, a inteligência artificial vai otimizar o tempo de desenvolvimento de fragrâncias, que inclui centenas de submissões em um período de até três anos, permitindo que o time de Marketing e de Pesquisa e Desenvolvimento na indústria se dedique mais às combinações finais para a conclusão da fragrância.

Nome, embalagem e outras características das fragrâncias serão reveladas no lançamento, mas já foram testadas e aprovadas por especialistas no segmento.

“Agora, nossos perfumistas podem trabalhar com um aprendiz de Inteligência Artificial que pode analisar milhares de fórmulas e dados históricos para identificar padrões e gerar novas combinações, ajudando a ultrapassar os limites da perfumaria e acelerar este processo de desenvolvimento com fórmulas jamais vistas”, aponta o presidente da Symrise Scent & Care, Achim Daub.

“A perfumaria é uma arte antiga. Ela se move lentamente através da história e pode parecer inalterada por séculos. Mas há momentos de significado histórico que são inegáveis. A última grande explosão de inovação começou no final do século 19 com a introdução de matérias-primas sintéticas de fragrâncias na paleta do perfumista”, lembra o perfumista da Symrise, David Apel. “Essa revolução ainda é a força motriz por trás da maioria dos grandes perfumes de hoje. A Inteligência Artificial é a próxima fronteira de inovação e descoberta da perfumaria. Observar isso e ajudar a direcioná-la é um privilégio”, conclui.